top of page

Spread vs. TAEG: Qual a taxa que mais pesa no seu Crédito Habitação?

Antes de contratar um crédito habitação para comprar uma casa, é importante analisar várias taxas, como o spread e a TAEG.


Compreende o Significado de Spread e TAEG no Crédito Habitação? Qual a Taxa Mais Relevante na Escolha do Banco?


Neste blog post esclarecemos o significado destes dois conceitos, bem como outros fatores que afetam o custo do crédito.


O que é o spread no crédito habitação?


O spread é uma das taxas de juro aplicadas ao crédito habitação e representa o nível de risco que o banco considera correr ao emprestar-lhe dinheiro. Quanto maior o valor do imóvel e a taxa de esforço de um cliente, mais elevado vai ser o spread.


O spread é uma taxa fixa que fica acordada com o banco no momento do contrato. O seu valor pode depender também de várias condições, tais como:

  • Domiciliação de ordenado

  • Contratação de seguros multirriscos e vida

  • Contratação de cartões de crédito.

Se alterar alguma destas condições ao longo do contrato, o banco pode penalizar-lhe o spread.


Um crédito com o spread mais baixo nem sempre é a opção mais económica, nem um spread mais alto resulta sempre em prestações mais elevadas. Há outros fatores que impactam no custo total do crédito, como por exemplo a taxa de juro base, o prazo de amortização e a TAEG.


A Importancia da TAEG no Crédito Habitação


A Taxa Anual Efetiva Global (TAEG) é um fator crucial a considerar ao comparar diferentes propostas de crédito habitação. Por meio dessa taxa, terá uma visão completa do custo total do crédito.


O cálculo da TAEG abrange entre outros encargos associados ao crédito os Juros, Comissões, Despesas (como impostos e registo de hipoteca), Seguros obrigatórios e

Comissão de manutenção da conta à ordem.

.

A TAEG é:

  • um dos principais indicadores a rever ao solicitar crédito, pois pode comparar quais entidades bancárias oferecem as melhores condições de crédito

  • detalhada nas informações pré-contratuais fornecidas ao cliente

  • apresentada na Ficha de Informação Normalizada Europeia (FINE)


Os Outros Fatores


1. Taxa variável, fixa ou mista


Ao escolher um crédito habitação, é importante decidir entre uma taxa de juro fixa, variável ou mista. Cada tipo de taxa de juro tem vantagens e desvantagens.


A taxa de juro fixa é a mesma durante todo o prazo do empréstimo. Isso significa que o valor da sua prestação mensal não vai variar, mesmo se a taxa de juro base (Euribor) subir. No entanto, a taxa de juro fixa é geralmente mais elevada do que a taxa de juro variável.


Já a taxa de juro variável é calculada com base na taxa de juro base (Euribor), que pode variar ao longo do tempo. Isso significa que o valor da sua prestação mensal também pode variar ao longo do tempo. No entanto, a taxa de juro variável pode ser mais vantajosa do que a taxa de juro fixa se a taxa de juro base baixar.


A taxa de juro mista é uma combinação de taxa de juro fixa e variável. Durante um determinado período de tempo, geralmente 5, 10 ou 15 anos, a taxa de juro é fixa. Após esse período, a taxa de juro passa a ser variável.


A melhor taxa de juro para si vai depender das suas necessidades e do seu perfil de risco. Se procura estabilidade e não quer correr o risco de a sua prestação mensal aumentar, então a taxa de juro fixa é a melhor opção para si.


Se está disposto a correr o risco de a sua prestação mensal aumentar, mas também está a contar com uma taxa de juro mais baixa, então a taxa de juro variável pode ser a melhor opção para si.


Se quer uma opção que combine estabilidade e flexibilidade, então a taxa de juro mista pode ser a melhor opção para si.


É importante comparar as diferentes ofertas disponíveis no mercado e escolher a taxa de juro que seja mais adequada para si sabendo que caso deseje amortizar o seu crédito no futuro, a comissão pelo reembolso antecipado depende da taxa selecionada: na taxa variável, a comissão é de 0,5% do valor da dívida, enquanto na taxa fixa é de 2%."


2. Seguros


Ao contratar um crédito habitação, é necessário contratar um seguro de vida e um seguro multirriscos. Estes seguros têm como objetivo proteger o banco e o cliente em caso de acidente ou doença que impeça o cliente de pagar o empréstimo.


O seguro de vida cobre o risco de morte do cliente. Se o cliente morrer, o banco recebe o valor do seguro e usa esse dinheiro para pagar o empréstimo. O seguro de vida também pode cobrir outros riscos, como invalidez total e permanente, invalidez absoluta e definitiva e doenças graves.


O seguro multirriscos cobre danos que possam ocorrer no imóvel, como incêndios, explosões, inundações, aluimento de terras, riscos elétricos e furtos. O seguro multirriscos também pode cobrir danos causados por terceiros, como acidentes de carro ou queda de objetos.


É importante escolher um seguro de vida e um seguro multirriscos que atendam às suas necessidades, comparar as diferentes ofertas disponíveis no mercado e escolher o seguro que seja mais adequado para si.


3. Cartões de crédito


Um dos métodos que os bancos podem usar para negociar o spread é pedir ao cliente que contrate um cartão de crédito. Caso use o cartão de crédito de acordo com as condições previstas, nomeadamente com um uso mensal e uma quantia mínima a gastar, poderá ver a sua prestação ser reduzida.


4. Prazo de amortização


O prazo de amortização é o período de tempo em que tem para pagar o empréstimo. Quanto mais tempo tiver para pagar o empréstimo, menor será o valor da sua prestação mensal. No entanto, também pagará mais juros ao longo do tempo.


O prazo máximo de amortização do crédito habitação é de:

  • 40 anos para clientes com idade até aos 30 anos,

  • 37 anos para clientes com idade entre os 30 e 35 anos

  • 35 anos para clientes com idade superior a 35 anos


O Nosso Veredicto


Como mencionado anterirormente, um crédito com o spread mais baixo nem sempre é a opção mais económica, nem um spread mais alto resulta sempre em prestações mais elevadas.


Por exemplo, contratar os seguros exigidos pelas entidades bancárias, numa seguradora que não esteja associada ao seu banco poderá ser mais económica e vantajoso globalmente independentemente do agravamento do spread.


Não existe uma taxa à qual deva atribuir mais importância do que outra, pois cada caso é um caso. É fundamental analisar todas as propostas e condições antes de avançar. Caso necessite de ajuda para gerir este processo por favor não hesite em falar com um dos nossos especialistas.

Recent Posts

See All

Euribor não para de subir! Quão Longe Chegará?

A Euribor continua a subir e não deverá parar até 2024. Descubra como se pode precaver. A Euribor é a taxa de juro média a que os bancos europeus emprestam dinheiro uns aos outros. É uma das principai

Comments


bottom of page